26 de mar de 2009

fragmentos de um discurso amoroso.

“Eu via, friamente, tudo de seu rosto, e seu corpo: seus cílios, a unha do dedão do pé, a finura das sobrancelhas, dos lábios, do brilho dos olhos. Certo grão de beleza, uma maneira de esticar os dedos ao fumar; eu estava fascinado – a fascinação não é outra coisa senão a extremidade do distanciamento – por essa espécie de figurinha colorida, esmaltada, vitrificada onde eu podia ler, sem nada entender, a causa do meu desejo."
Roland Barthes

2 comentários:

  1. ninguém há de julgar uma alma apaixonada...

    ResponderExcluir
  2. "ninguem há de julgar uma alma apaixonada."

    ResponderExcluir