22 de out de 2010

"Eu sempre sonho que uma coisa gera,
nunca nada está morto.
O que não parece vivo,
aduba,
o que parece estático,
espera."

(Adélia Prado)

3 comentários:

  1. A maior poeta brasileira e, no mínimo, um dos dez maiores nomes da poesia luso-brasileira contemporânea.

    Que dádiva ela acaba de nos conceder, ao lançar mais um livro de poemas após mais de dez anos de silêncio. Já o leu, Frida? Eu já o encomendei, e não vejo a hora de nele mergulhar a alma!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Antes de comprar o novo livro dela ("A duração do dia"), Frida, corra e compre "Bagagem", seu primeiro livro, um marco na poesia brasileira - e na minha vida, sobretudo. Há uns quatro meses, vários sebos do Estante Virtual o estavam vendendo a preços que iam de 16 a 30 e poucos reais. Se o novo livro estourar, certamente os demais vão subir de preço. Acredito que "Filandras", que também é muito bom, seja ainda mais barato que Bagagem.

    E obrigado pela visita e pelo elogio.

    ResponderExcluir