7 de abr de 2009

... do amor.

"O amor é aquele grãozinho minúsculo de mostarda e daquilo não passa. Você pode ter milhões de impactos pós-grãozinho mas o clique ocorre só uma vez só. E o resto, o resto é soma, multiplicação (subtração, em alguns casos) do que é feito com o grãozinho inicial. O encanto é só um, cada um com seu grão de mostarda às vezes não explorado mas é só ele que vale. Um dia você posiciona os botões do seu aparelhinho de recepção na freqüência open e a partir de então vai perceber o grão alheio mais hora menos hora, batata.!
E o grãozinho de mostarda do sopro do pequenino Eros com sua flechinha em riste & chiste testosterônicos (posto que a atividade de captação pelo receptor ou caça requer certo nível de ousadia) pode estar escondido numa pequena palavra certa na hora certa, numa clavícula sobressalente, num sorriso. Em geral é dentro do olho, a menina sereia do olho que canta e enfeitiça quem lhe passa defronte é que detem o poder do grão de mostarda mágico do amor. (ah, o amor.!)
Depois do grão de mostarda, meu amigo, minha amiga, o porvir terá mais importância não. Depois do grão de mostarda é ele - e só ele - o que você vai sentir debaixo da pilha de vinte colchões every day every night vendo inerme a paz muito rapidamente tornar-se palavra completamente em desuso no seu vocabulário. E o pior de tudo é que poucos confiam no próprio grão de mostarda. No EFETIVO poder do próprio grão e acabam assim emplumando-se e munindo-se dos mais airosos extras e opcionais para perfilarem-se interessantes (se o grão de mostarda não for em grande quantidade não se consegue perceber a olho desnudo, balela comum que se cai pela mais pura insegurança) no contato com seus admiradores. Precisa fazer nada, não. Não precisa nada mais que expor em local apropriado o seu próprio grão de mostarda. Todo o resto de você, para o outro, é lucro. Para todo sempre o que vai importar é o primeiro código transmitido e recebido.
Se todo mundo soubesse que era só existir para ser amado, existir expondo a unicazinha coisa que lhe encanta perante os outros, só isso... Mas não. Alguns, porém, bem o sabem. Esses são perigosos, ainda que totalmente indesviáveis."
*
*
*
[Roubei de um blog, de Denise Ritta. Adorei o que foi escrito... me sinto assim, com um grãozinho de mostarda na mão, querendo ansiosamente florescer!]

Nenhum comentário:

Postar um comentário